Mapa da mina III

E em terceiro lugar, alguém acredita que o conhecido “doleiro dos doleiros”, operador mundial há dezenas de anos, e que devolve mais de R$1 bilhão, fique “apenas” com R$3 milhões e um apartamento no bairro do Leblon? A maioria dos itens relacionados e entregues para a justiça brasileira (e um bom pedaço para o Paraguai) são de propriedades e quadros. Não dinheiro vivo. Parece improvável que um dos maiores doleiros do mundo, e operando com cédulas, não tenha alguns cofres-fortes abarrotados de “verdinhas” em cada região do planeta… E bem longe de qualquer justiça.

Os comentários estão encerrados.

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: