Questão de prioridades II

Mesmo sendo habitada pela maior população negra fora do continente africano, a capital baiana ainda não teve uma gestão municipal voltada seriamente para a ampliação do número de Unidades Básicas de Saúde, que é onde devem ser acompanhados os pacientes com hipertensão e diabetes, doenças essas que afetam os afrodescendentes com maior gravidade. O prefeito de Salvador, ACM Neto, é acusado de investir somente em caríssimas obras de estética urbana em detrimento da área social. Um exemplo: o custo do piso intertravado do bairro turístico do Rio Vermelho bateu em R$70 milhões. Essa verba daria para construir cerca de 100 Postos de Saúde em toda a cidade, salvando muitas vidas.

Os comentários estão encerrados.

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: