Movimento Escolas Abertas

O governo paulista adotou um discurso de que haveria o retorno às aulas presenciais somente quando existisse um “ambiente seguro”. Dados recentes divulgados no mundo comprovaram que não há evidências de que a escola represente risco para a comunidade. Em São Paulo há mais de 240 dias não há aulas presenciais. A China reabriu as escolas após três semanas, a África do Sul retomou em agosto. Em outubro, quando países como França, Alemanha, Bélgica e Inglaterra voltaram a fazer lockdown e a fechar bares, restaurantes e academias, as escolas permaneceram abertas. Por isto, em São Paulo, um grupo de mães e pais criou um movimento que em uma semana reuniu mais de 8 mil assinaturas. O manifesto visa entrar com uma ação popular contra a Prefeitura de São Paulo para pedir a abertura das escolas particulares e públicas para aulas regulares ainda em 2020, respeitando os protocolos sanitários e o distanciamento. E exige assim que o governo trate a educação como atividade essencial.

Os comentários estão encerrados.

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: