A OAS vai no mesmo caminho da antiga Odebrecht

Depois das mortes de César pai e César filho, a OAS sofre também os pecados do seu passado. Agora mesmo, uma empresa ligada a ela teve um contrato no Rodoanel em São Paulo anulado porque a empresa tem passivo com o governo de São Paulo e um conflito financeiro de alguns milhões. César deixou um filho e uma filha, só eles e a viúva podem decidir que vão seguir o caminho da antiga Odebrecht e também mudar o nome da OAS. Enquanto não mudar, a empresa será vítima do seu passado.

Os comentários estão encerrados.

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: