Suape, o porto da discórdia

O clima anda tenso entre o ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, e o governador de Pernambuco, Paulo Câmara, do PSB. A crise começou quando Tarcísio tornou público durante uma live que o governo federal não enxerga viabilidade econômica no sonhado ramal entre o porto pernambucano de Suape e a igualmente sonhada ferrovia Transnordestina, que já consumiu R$7 bilhões de investimento e deveria ter sido entregue em 2010. Assim, vai excluir o projeto do contrato com a concessionária TLSA do grupo CSN mantendo apenas a obrigatoriedade de construção do ramal até o porto de PECÉM no Ceará. Para o governador de Pernambuco, o episódio faz lembrar o rompimento entre seu padrinho político Eduardo Campos, morto em 2014, e Dilma Rousseff, quando o então governador se desentendeu com a petista em meio a discussão se caberia ao estado ou à União o pagamento de dívidas relativas a obras no porto de Suape.

Os comentários estão encerrados.

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: