Fila

Os principais candidatos aos governos neste segundo turno querem o apoio de Jair Bolsonaro. No Rio de Janeiro os dois adversários já foram avisados de que Bolsonaro será neutro nas eleições cariocas. Em São Paulo o candidato do PSDB tentou falar com Bolsonaro no último sábado e não conseguiu. Ele garante que vai conseguir o apoio de Jair Bolsonaro. Em Brasília o candidato que está na dianteira quer o apoio, mas Bolsonaro ainda não se definiu. Como se vê, Jair Bolsonaro é hoje o maior cabo eleitoral do país.

Debates e pesquisas

A equipe médica que acompanha o presidenciável Jair Bolsonaro não quer que ele agora participe de nenhum debate. Perdeu quinze quilos e não pode ficar em pé durante duas ou três horas. Quanto às pesquisas os números são positivos para ele e seus estrategistas afirmam que a distância dele para Fernando Haddad cresce nas últimas pesquisas como Datafolha, BTG Pactual e outras.

Escolha seletiva

A equipe de Bolsonaro, seguindo determinação do candidato, só quer apoio de nomes respeitáveis e que não estejam na operação Lava Jato ou tenham ficha suja. Nas últimas 48 horas, o apoio de Ronaldo Caiado, eleito no primeiro turno governador de Goiás, e da jurista Eliana Calmon, um dos nomes mais respeitáveis no mundo jurídico, foram festejados pela campanha de Bolsonaro.

Revelação

A candidatura à presidência da Câmara do deputado federal Kim Kataguiri ganha força em Brasília. O jovem do MBL que conseguiu quase 500 mil votos em São Paulo pode ser a primeira manifestação da nova política nacional. A Câmara foi muito renovada e Kim será uma escolha festejada por todos os brasileiros.

Os donos do cofre

Os senadores Romero Jucá, Eunício Oliveira e Valdir Raupp eram os donos do cofre do PMDB nacional. Eles administravam os bilhões dos fundos partidário e eleitoral e outros recursos. Os três perderam as eleições e ninguém sabe até agora a quem eles vão entregar o cofre. Na Bahia quem mandava no dinheiro era o deputado federal Lúcio Vieira Lima que também perdeu. Como se vê nesta eleição os bilhões de reais gastos salvaram pouca gente, só quem ainda tinha curral eleitoral.

Record versus Globo

A Rede Record tem mantido uma linha de independência e neutralidade que está chamando a atenção nessa cobertura eleitoral. Não é sem razão que conseguiu uma entrevista exclusiva com o presidenciável Jair Bolsonaro no dia do debate da Globo e qualitativamente foi melhor avaliada do que o trabalho da sua adversária. Agora mesmo tem feito entrevistas exclusivas com Bolsonaro e Haddad permitindo que ambos, de maneira tranquila, expliquem os projetos que tem para o Brasil sem aquelas intervenções professorais da Globo e da Globonews. A Record está na frente.

Brasília agitada

Ontem Brasília esteve agitada com dirigentes do PSDB e alguns deputados e senadores que venceram os pleitos. Quem perdeu ainda não voltou e vai demorar muito. Câmara dos Deputados e Senado não votarão nada de interesse da população até primeiro de fevereiro quando os novos senadores e deputados federais vão tomar posse no DF.

A rede social elege Jair Bolsonaro

Ninguém apanhou mais até agora do que o presidenciável Jair Bolsonaro. O grupo Globo, o Estado de São Paulo, a Folha de São Paulo e a Veja, para falar dos mais conhecidos, foram implacáveis com Bolsonaro durante a campanha do primeiro turno. Ele habilmente usou todo tipo de rede social e derrotou os meios convencionais da imprensa. Depois dessa eleição será necessário que a imprensa tradicional se reestruture porque foi ela a maior derrotada nas eleições de 2018 no Brasil.

Quem manda é Lula

Foi o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva que da cadeia em Curitiba determinou a ida no último sábado de Fernando Haddad a Feira de Santana. Lula ficou irritado com a declaração de voto que o candidato do DEM ao governo da Bahia, José Ronaldo, fez a Bolsonaro e com a resposta de Bolsonaro de que apoiaria José Ronaldo. Além de Fernando Haddad o governador da Bahia, Rui Costa, também foi à Feira. Na verdade o tiro saiu pela culatra já que o candidato do DEM ao governo José Ronaldo foi prefeito de Feira por 4 vezes e tem um prestígio que nenhum outro político tem naquele município. Lula quer que Haddad derrote Ciro Gomes no Ceará e com isso está fechando todas as portas para uma futura composição se houver segundo turno.

Conversa antiga

O atual prefeito de Feira de Santana, Colbert Martins do MDB, conversou muito na última semana com o senador Magno Malta, um dos melhores amigos do presidenciável Jair Bolsonaro. Este fato deve ter contribuído para aliança de última hora entre Bolsonaro e José Ronaldo.

Doce vingança II

Não foi o SBT e sim a Record que conseguiu com exclusividade uma entrevista com o presidenciável Jair Bolsonaro. A gravação foi exibida às 22 horas da última quinta-feira e bombou. Os presidenciáveis que estavam na Globo tentaram evitar a exibição do furo jornalístico, mas a justiça não atendeu. A Record bateu a Globo e além de tudo Bolsonaro conseguiu um apoio muito valioso: dos evangélicos. Quer mais?

Bolsonaro agradece a José Ronaldo na Bahia

O presidenciável Jair Bolsonaro postou na rede social um agradecimento que recebe do candidato do DEM ao governo da Bahia, José Ronaldo, que desde a última quarta-feira faz campanha tendo como candidato a presidência Bolsonaro e não Alckmin. Só o prefeito ACM Neto e o próprio Geraldo Alckmin acreditam que vão para o segundo turno neste domingo. São os dois patetas das eleições de 2018 já que promoveram um festival de mentiras e são dois grandes perdedores.

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: