59 a 41

Bolsonaro é o presidente do Brasil. O Ibope divulgou ontem a mais nova pesquisa. Bolsonaro cresce, Haddad não. A não ser que ocorra um novo atentado ou uma fraude, a doze dias das eleições, Jair Bolsonaro já pode mandar fazer o traje da posse.

Milhões para saúde e educação 

O governador eleito por Goiás no primeiro turno, Ronaldo Caiado (DEM), terá a chance de recuperar parte dos milhões de reais que foram pagos irregularmente por estatais como Saneago e Celg, para o banco suíço Credit Suisse ou seus investidores, durante a gestão do enrolado ex-governador Marconi Perillo (PSDB). O banco ganhou sem a devida concorrência grandes captações de recursos das estatais na gestão de Perillo. As transações foram coordenadas no banco suíço por Sérgio Machado Filho, filho do ex-presidente da Transpetro e delator na Lava Jato. Sérgio Filho ficou famoso no mercado financeiro pelos bônus milionários pagos graças a operações com estatais goianas e o FI-FGTS. 

Banco Camaleão 

Após participar ativamente do governo de Dilma Rousseff e ganhar bilhões de reais em parcerias com o Banco do Brasil, o Banco Bradesco tem mantido distância do mundo político pela primeira vez em sua história. A longa delação de Antonio Palocci, amigo do peito de conselheiros e presidentes do banco, e a provável eleição de Jair Bolsonaro (PSL) explicam o distanciamento. 

Agressões punidas

Não é sem razão que nestas eleições os brasileiros puniram os chamados partidos de esquerda que no Brasil são extremamente despreparados. As urnas foram justas com PSOL, PCdoB, PT, sem se falar nos nanicos. Eles estão ameaçados de extinção pelo sistema da cláusula de barreira o que será muito importante para a política brasileira. Já não preocupa a população as ameaças e tentativas de invasão de terras produtivas e até mesmo locais públicos. Agora o candidato do PSOL, cuja votação foi pífia, resolveu incitar os seus seguidores para que invadam o imóvel particular do presidenciável Jair Bolsonaro. Isto é um escárnio. Prejudica sensivelmente o candidato do PT Fernando Haddad já que o Boulos foi um dos primeiros a apoiá-lo no segundo turno. O eleitorado brasileiro deu uma resposta dura a esses violentos políticos que vivem incentivando a discórdia no país.

Só agora e na direção errada

Só agora o candidato do PT Fernando Haddad fala no tema corrupção. Durante o primeiro turno ele não tocou no assunto, mas ao visitar a CNBB recebeu um documento cujo tema principal era justamente o combate à corrupção. Ele não fala sobre o ex-presidente da Petrobras Sérgio Gabrielli que está indiciado e denunciado em vários processos. Não toca no nome do ex-presidente Lula, de José Dirceu, de Antonio Palocci, de Guido Mantega e nos vários tesoureiros do PT. Desse jeito Fernando Haddad não irá a canto nenhum.

 

Tsunami mineiro

A contagem das vítimas do tsunami que varreu no primeiro turno das eleições deste ano dezenas de figuras políticas tradicionais da política mineira está longe de terminar. Além de Pimentel, Dilma e de vários deputados que não foram reeleitos, a expectativa é que, com a eleição do empresário Romeu Zema (NOVO), milhares de servidores e empresários que sempre viveram das tetas do governo mineiro e de suas estatais sejam as próximas vítimas do tsunami, que só poderá ser comparado à tragédia de Mariana, mas que, diferentemente da última, nunca será esquecida.

Ceará dispara no Nordeste

Enquanto a Bahia fecha hotéis e tem um aeroporto de péssima qualidade, o Ceará dispara na liderança turística do Nordeste. O aeroporto de Fortaleza tem um fluxo aéreo internacional maior que o da Bahia. Este ano, quatro milhões de turistas já visitaram o estado, turistas com recursos, diferentemente dos que visitam Salvador, na sua maioria, classe média baixa. E agora, o Ceará decidiu investir nos turistas suecos.

Brasília vai decidir

A última vaga para deputado federal da Bahia coloca frente a frente PT e PC do B contra o DEM. O ex-prefeito de Juazeiro, Isaac Carvalho, garantiu as vitórias de Haddad e Rui na região com larga margem, e para a Câmara Federal, teve mais de 100 mil votos. Agora, luta no STJ e TSE contra Leur Lomanto Júnior do DEM, que teve pouco mais de 80 mil votos. A decisão deve sair até dia 9 de novembro, e nos Tribunais Superiores de Brasília, o ex-ministro Jacques Wagner tem muito mais prestígio que o Prefeito de Salvador ACM Neto.

A bancada militar não é o Exército

Ninguém esperava que a renovação na Câmara dos Deputados fosse tão grande. O receio da dificuldade de administrar o país sem bancada não existe mais para os Bolsonaristas, diante dos eleitos que o apoiarão, se vencer a eleição. Mas antes mesmo do resultado do segundo turno, e antes de suas posses, parlamentares eleitos já começaram a discutir sobre poder e formação de times para defender assuntos de interesse de corporações. Com a novidade de uma bancada militar, com generais eleitos, coronéis e outras patentes, membros da cúpula do Exército se anteciparam e deixam claro que, ninguém representa a instituição e seus ideais, ninguém fala pelo Exército, a não ser o Comandante Eduardo Vilas Boas. A mensagem chega como alívio para quem teme dias tensos e conflitos na democracia brasileira.Vilas Boas é um defensor da paz e da democracia, tem um perfil moderado e é admirado no meio político.

Vulnerabilidade comprovada

A prisão, na última semana, de uma quadrilha em São Paulo que, segundo a Polícia, desviou cerca de R$400 milhões de cerca de 25.000 clientes comprova a vulnerabilidade dos grandes bancos de varejo como Bradesco, Itaú, Santander e Safra a fraudes. Segundo fontes ouvidas pelo blog, o esquema nunca foi identificado pelos bancos e a prisão só ocorreu porque membros da quadrilha ostentavam demais com carros de luxo e aluguel de jatos.

Vulnerabilidade comprovada II

Mesmo tendo seus clientes como vítimas, misteriosamente os grandes bancos como Bradesco, Itaú, Santander e Safra nunca reportaram ao COAF, responsável por coibir a lavagem de dinheiro, as centenas de milhões de reais depositados e movimentados pelos membros da quadrilha em contas bancárias e cartões de crédito. Conforme informações obtidas pelo blog, gerentes do Santander e do Safra tratavam membros da quadrilha como clientes vip, sem perguntar ou questionar a origem de tanto dinheiro.

Haddad x Edir Macedo

O ataque desferido pelo candidato Fernando Haddad contra o bispo Edir Macedo, líder da Igreja Assembleia de Deus, tem consequências imprevisíveis para o PT. Hoje os evangélicos no Brasil somam mais 60 milhões de pessoas. No PT uma reação forte contra Haddad foi anunciada internamente porque o bispo Edir Macedo, em nota oficial divulgada, revelou que em eleições passadas apoiou o ex-presidente Lula. Agora quando ele apoia Jair Bolsonaro a sua igreja sofre um violento ataque de Fernando Haddad. Assim ficará muito difícil Haddad alcançar Bolsonaro que nas pesquisas já atinge 18% a 20% de diferença.

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: