Milionário baiano gasta fortuna para recuperar imagem e reputação

O milionário baiano Frank Abubakir quer recuperar seu nome e imagem comprando espaços em jornais e revistas sociais. Sabe ser difícil apagar o que fez que o levou a Operação Lava Jato e envolvimento em outros escândalos empresariais e familiares. Já contratou até publicitário e continua correndo atrás do prejuízo a fim de apagar o seu passado.

Quem vai pagar o advogado do Gal Pazuello? O Exército ou a Presidência da República?

Explodiu como uma bomba, ontem em Brasília, a revelação de que o general de Exército Pazuello contratou um advogado criminalista para lhe orientar no dia 19, quando vai depor na CPI da Covid. O fato desabona a imagem do Exército que não tem como explicar que um general de duas estrelas seja tão despreparado e que tem medo de depor numa CPI. A revolta maior do povo reside no fato com uma pergunta: quem vai pagar o advogado? A presidência da República ou o Exército? Os ganhos do general são insuficientes para pagar um advogado. Pazuello envergonha o Exército e o presidente Bolsonaro coloca a instituição para críticas da população brasileira. 

Neto volta a recuar

“A vida como ela é!” A frase emblemática do ícone literário Nélson Rodrigues vale igualmente para a política nacional. Em fevereiro, o ex-ministro Luiz Henrique Mandetta revoltado com o racha no seu partido DEM, por conta da atuação deletéria do presidente ACM Neto que revelava um possível futuro apoio a Bolsonaro, ameaçou deixar o partido e classificou assim o político baiano: “Ele não descarta nada, tudo pode ser. É tipo Maria-mole, que vai pra um lado, vai pra outro”. Atualmente, como Mandetta se saiu muito bem na CPI da Covid, com a mídia especulando ser o único nome de representação nacional demista para o pleito de 2022, ACM Neto já empunha a bandeira do ousado correligionário “Eu acho que ele foi muito bem na CPI, mostrou absoluta segurança, equilíbrio… ele foi o melhor ministro da saúde nesse período todo…”.  Pois é, o baiano já começou a escolher um lado para ficar em 2022. 

Acredite se quiser

Impossível entender como existe, e permanece no cargo do governo federal, ocupando lugar de destaque em um ministério da saúde, e em plena pandemia, uma funcionária conhecida pelo apelido de “Capitã Cloroquina”? A chefona, que confessou comandar a operação de disseminação de kit de remédios ineficazes contra a covid no estado do Amazonas às vésperas da explosão da mortalidade, continua sendo festejada e prestigiada na vida pública do país. Inacreditável!

Fachin quer Maluf de volta à prisão

O ministro do STF, Luiz Edson Fachin, solicitou que uma junta médica examine Paulo Maluf que, alegando problemas de saúde, foi para prisão domiciliar. Agora, o ministro do STF determinou que uma junta médica vá à residência dele e faça uma revisão. O advogado de Maluf é Kakay, que insiste em afirmar que seu cliente está dodói.

Aleluia do DEM fica. Marun do MDB sai

A ex-governadora Cida Borghetti, mulher do líder do governo na Câmara, o deputado Ricardo Barros, foi nomeada para o conselho da Itaipu com salário mensal de R$ 27 mil, mas que chega aos R$ 70 mil com gratificações. Saiu Carlos Marun e ficou o baiano José Carlos Aleluia. Marun foi indicado pelo MDB e Aleluia pelo DEM.

O veterano Alexandre Garcia coloca a CNN em situação delicada

Alexandre Garcia provocou uma cena lamentável na CNN quando o apresentador fez uma pergunta alusiva aos governadores que, segundo o apresentador, tanto os governadores quanto os prefeitos defendem o direito da vida. Alexandre não gostou. Ficou mudo e afirmou: “você quer me entrevistar?”. O apresentador disse: “então até a volta”, ao que Garcia respondeu: “não sei se vou voltar” e abandonou o programa. Vale lembrar que Alexandre Garcia saiu brigado da antiga rede Manchete, depois brigou também com a rede Globo e agora com a CNN. É amigo do presidente Bolsonaro e foi colocado na emissora para defendê-lo.

PF protege ministro conhecido como “boca do inferno”

Ontem, a PF realizou ações em São Paulo e Brasília para descobrir o autor, ou autores, de ameaças ao ministro do STJ Felix Fischer. Conhecido como “boca do inferno”, jamais despacha favorável a Habeas Corpus. Através da filha, ele foi ameaçado de morte e os comentários são de que os autores são bolsonaristas, já que ele tem um processo de Flávio Bolsonaro e das rachadinhas pedindo Habeas Corpus para o filho 01 do presidente. É só questão de tempo. Fischer é linha dura. 

Marcelo Odebrecht não perdoa

Em São Paulo, Brasília e Bahia, Marcelo Odebrecht tem ações contra a empreiteira. Agora, acaba de ganhar mais uma. A quantia é pouca para ele: R$ 3 milhões. O pai Emílio diz que vai recorrer. 

DEM: um partido mais ralo a cada dia

O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, deixou o DEM, onde estava desde 2018, e filiou-se ao PSD, presidido por Gilberto Kassab. Mais um que deixa o Democratas mais magro para as urnas em 2022. Coincidência ou não, a presença de ACM Neto na presidência do partido, e a briga feia com Rodrigo Maia, preferindo dar apoio ao presidente Bolsonaro parece ter feito goteira no telhado da agremiação. Nas redes sociais, onde não existe censura, o internauta não deixou por menos na seção de comentários: “Depois do excelente trabalho de Rodrigo Maia para reabilitar o DEM junto à centro-direita… ACM Neto colocou tudo a perder indo lamber botas do governo GENOCIDA… agora perdeu o Rio. E vai perder mais voltando a ser aquele partido sem relevância”.

Bolsonaro cria novo caso com a China

Ontem, o presidente Jair Bolsonaro, demonstrando seu desequilíbrio mental, afirmou que a China é a autora do vírus da Covid-19. No início da noite, a embaixada chinesa já tinha transmitido para Pequim as declarações do desastrado presidente brasileiro. Na CPI da Covid, o seu presidente, senador Omar Aziz, demonstrou preocupação com a reação chinesa, principalmente depois que o ex-ministro Nelson Teich fez uma bela exposição e responsabilizou Bolsonaro pela crise que nós vivemos. 

Um apagão na negociação da Geração Distribuída

Um dos principais embates econômicos em curso no Congresso está passando ao largo da cobertura da imprensa. Trata-se do Projeto de Lei 5.829/2019. Ele trata da Geração Distribuída, tema essencial para as empresas de energia eólica e solar, mas que tem a oposição das grandes distribuidoras de energia. Como sempre, o problema mora nos detalhes. As empresas de energia eólica e solar querem subsídios para sua energia limpa. As grandes distribuidoras brigam porque o subsídio será pago por todos os consumidores, inclusive os mais pobres, e os subsídios beneficiarão os mais ricos, com recursos para investir em painéis solares. A questão é chegar a um acordo sobre o valor dos subsídios, como e por quanto tempo eles serão cobrados. O relator, deputado Lafayette de Andrada (Republicanos-MG), apresentou um texto pronto para a votação. De acordo com as distribuidoras, o documento apresentado ontem não inclui os acordos firmados com os deputados que não topam passar a conta para a totalidade dos consumidores.

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: