O dia D no congresso é de incerteza

Renan Calheiros do MDB, com treze processos no STF e com a maior rejeição popular, pode ser eleito amanhã presidente do Senado, hoje ele tem 47 votos dos 81 senadores. Simone Tebet do MDB é cristã nova. Tasso Jereissati do PSDB não tem os votos necessários. Álvaro Dias do Podemos tem prestígio mas não tem votos. Davi Alcolumbre do DEM foi lançado pelo ministro-chefe da Casa Civil Onyx Lorenzoni só para atrapalhar. Ontem Fernando Collor de Mello afirmou que vai disputar, era eleitor de Renan. Diga-se ainda, Renan hoje é o candidato na pole position, principalmente se o voto for secreto conforme reafirmou o STF. Também na Câmara, o candidato do DEM Rodrigo Maia não é um líder político de prestígio, é o favorito no primeiro turno, se for para o segundo perde para Fábio Ramalho que está trabalhando na surdina e acredita que o voto secreto vai apresentar surpresas. Essa eleição no Congresso Nacional demonstra um fato: nenhuma das duas casas tem um líder de peso. Vai ser um samba do crioulo doido.

Os comentários estão encerrados.

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: