Bolsonaro demite quem não quer privatizar

A saída do general Juarez Cunha da presidência da ECT foi decida quando ele foi à Câmara dos Deputados e, numa comissão formada por parlamentares do PT e do PSOL, afirmou que o processo de privatização da ECT poderia ser reavaliado. Dançou. Quem também pediu demissão foi o presidente do BNDES que não entendeu que quem manda é quem tem a caneta numero um. Joaquim Levy pediu para sair porque sabia que seria demitido.

Os comentários estão encerrados.

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: