Água e política não se misturam II

Aliás, tentando saciar a “sede de justiça” da opinião pública fluminense e carioca, o governador Witzel, mesmo demitindo subordinados da Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Rio de Janeiro continua sendo criticado fortemente pela população que vai se inteirando, pela mídia, o quanto foi péssima a administração estatal com relação ao controle da captação e do tratamento da água que consomem há anos. Witzel, de forma mais clara que a água das torneiras que jorra no seu estado, terá muita dificuldades na reeleição de outubro. Literalmente, muita água (e boa) terá que rolar pra lavar essa sujeira do seu governo.

Os comentários estão encerrados.

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: