Herança milionária de empresário assassinado é disputada na Bahia

O grupo Barretto de Araújo, que teve sua liquidação sentenciada pela Justiça Federal, ainda tem várias empresas subsidiárias com vasto patrimônio. Somente uma delas, a Companhia Industrial Pastoril, acaba de receber dezessete milhões de reais, produto de indenização de terreno no metrô Bahia. A luta na sociedade aponta que um grupo com os sócios Ricardo de Agostini Lagoeiro e Vera Madalena Barretto de Araújo receberam indevidamente dezessete milhões de reais e um outro pagamento de oito milhões está para ser feito em favor da empresa Vale. É importante lembrar que o sócio e principal milionário do grupo, Plínio Moscoso de Araújo, foi morto envenenado por arsênico dentro de um hospital. Um crime que até hoje não foi desvendado.

Os comentários estão encerrados.

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: