O ex-governador da Bahia que devolveu 2 milhões de dólares que sobrou de uma campanha eleitoral

A revelação acaba de ser feita ao jornal Folha de São Paulo pelo banqueiro José Luiz Magalhães Lins, sobrinho de Magalhães Pinto, que construiu o banco nacional de Minas Gerais. Ele afirma que, por ser o gênio das finanças e do diálogo, foi indicado por Samuel Wainer do Última Hora ao presidente João Goulart que queria vencer um plebiscito para a volta do presidencialismo. Ele foi a Jango, disse que aceitaria, mas que não pegaria no dinheiro. Ficou acordado com o tesoureiro da campanha, o ex-governador da Bahia Antônio Balbino, que estava tudo ok. Depois da campanha, ele foi surpreendido na residência dele quando o secretário de Jango lhe entregou duas malas, cada uma com um milhão de dólares. No outro dia, ele foi à residência do tesoureiro da campanha, Antônio Balbino, e fez a entrega das duas malas. Imediatamente Antônio Balbino chamou Darcy Ribeiro e entregou os 2 milhões de dólares. Vinte e quatro horas depois, Darcy Ribeiro elogiava o banqueiro e ex-governador da Bahia, que mais tarde seria ministro do governo Jango pela honradez. O fato é revelado anos depois, mas merece registro para as filhas, netos e netas, bisnetos e bisnetas do ex-governador da Bahia. Imagine se esse “troco” fosse entregue hoje a Paulo Maluf, Michel Temer, Valdemar da Costa Neto, José Dirceu, Antônio Palocci, Eduardo Cunha, Geddel e Lúcio Vieira Lima, Ciro Nogueira e outros políticos.

Os comentários estão encerrados.

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: