(Ir)responsabilidade social I

No ano de 2010, o então presidente LULA, sob forte pressão da ABRACE, editou o famoso Decreto n.º 7.129/2010 que prorrogou por 5 (cinco) anos o contrato da CHESF com as indústrias Dow, Braskem, Novelis, Gerdau, Caraíba Metais, Ferbasa, Vale, dentre outras. O argumento da Abrace, à época, era de que a Lei n.º 10.848/2004, que regulamentou o setor elétrico e já havia dado uma prorrogação anterior aos contratos com a Chesf até 2010, tinha como premissa o acesso a um mercado livre de energia elétrica que não se teria concretizado no Nordeste. As empresas também alegaram que, nos anos 70 e 80, pagaram empréstimos compulsórios em favor da Eletrobrás que alcançam R$1,7 bilhão atualizado para 2010. A ideia da legislação era justificável: permitir que essas empresas de consumo intenso pudessem comprar energia mais barata mantendo os contratos firmados anteriormente, até que elas pudessem construir sua própria geração.

Os comentários estão encerrados.

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

<span>%d</span> blogueiros gostam disto: