Muito abaixo da média II

Vale sacar algumas passagens do “palavrômetro” do Capitão-presidente, pois já fazem parte desse triste capítulo da história do Brasil. Bolsonaro já chamou manifestante de ‘idiota útil’; agrediu a imprensa quando perguntou sobre gastos excessivos com leite condensado “Vai para p** que p**… É para enfiar no rabo de vocês da imprensa”; para prefeitos e governadores em suas ações de isolamento social, Bolsonaro citou sete vezes à expressão “bosta”, “merda e putaria” quatro vezes cada uma, e “porra” oito vezes. A um internauta que o criticou em live, respondeu: “Posso falar palavrão aqui? Puta que o pariu, não fode, porra! Desculpa a linguagem aí. Fala merda o tempo todo, não sabe o que acontece, pô!”. Para outro jornalista que queria esclarecimentos sobre o dinheiro que teria sido depositado por Queiroz na conta da primeira-dama, “Ô rapaz, pergunta para a tua mãe o comprovante que ela deu para o teu pai, tá certo?”, respondeu o presidente do Brasil. Faltam 18 meses para um novo encontro com as urnas… Mas na última semana ele chamou o governador de São Paulo João Doria de “patife”. O governador João Doria foi preciso em chamá-lo de “genocida”.

Os comentários estão encerrados.

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: